Entra o ano e com ele uma nova proposta de aumento. Dessa vez, a passagem do trem vai passar a custar R$7,40. Pressione contra esse absurdo!





Mais certo do que o melhor Carnaval do mundo ser o do Rio de Janeiro, só a vontade da Supervia de prejudicar o trabalhador. Entra ano e sai ano, e o Governo do Rio, a Agetransp e a Supervia tentam empurrar para cima da gente um novo aumento nas tarifas de trem. E, dessa vez, a proposta é de que a passagem passe a custar R$7,40!

A Supervia não cumpre com o contrato de entrega de serviço, mas quer cumprir com o aumento proposto pela Agetransp. Quem pega trem todo dia sabe do que estamos falando. Vagões lotados, precários, longos intervalos entre os trens, risco de suspensão das operações, e até mesmo acidente nos trilhos. A desculpa que o Governador está usando é que quem ativar o Bilhete Único Intermunicipal (BUI) continuará pagando a tarifa com desconto.

Mas, com poucos pontos de atendimento, filas enormes e muita burocracia, muitos usuários enfrentaram inúmeras dificuldades na hora de realizar o recadastramento do BUI. E, após muita pressão popular, o aumento, que estava previsto para o dia 02/02, foi adiado pela Secretaria Estadual de Transportes e deve passar a valer na próxima semana, no dia 09/02. Mas, só isso ainda não é o suficiente!

Cerca 314 mil usuários dependem dos trens para ir trabalhar, e, com o atual valor de R$5, isso significa mais de R$1,5 milhão diários para os bolsos da Supervia. É um prêmio do BBB por dia! O aumento representa R$300 a menos por mês no bolso do trabalhador.

Não vamos engolir esse aumento! Já que a Supervia e Agetransp estão do lado do Governador, temos que nos unir para barrar essa injustiça. Se em 24h de campanha e 3 mil pessoas lotando a caixa de e-mail do Cláudio Castro conseguimos esse adiamento, imagina se chegarmos em 10 mil? Agora mais do que nunca, precisamos continuar pressionando até barrar de vez o aumento! Por isso, preencha agora o formulário e nos ajude a lotar de emails a caixa de entrada do Governador para que ele revogue já o aumento da passagem de trem!





A Supervia é uma concessionária de serviço público. Ela recebe incentivos governamentais para atender a população - sua operação não deve visar o lucro, mas sim oferecer um serviço de qualidade para as pessoas. Por isso, jogar a conta da crise para os usuários é injusto!




A Agetransp, que deveria regular a operação dos trens, até hoje não apresentou um balanço razoável sobre a verdadeira situação orçamentária da Supervia. O aumento é calculado segundo qual fórmula? Este valor a mais é para cobrir quais custos? Estas respostas até hoje não foram dadas!




A ideia de aumentar o valor da passagem vai cobrir os custos é uma falácia! O custo pesa no bolso, então quanto mais caro o valor, menos pessoas circulam naquele meio de transporte. Se a passagem for mesmo para R$7,40 o risco é colapsar ainda mais o sistema de ônibus, que também já anda precário!





Há algum tempo a Supervia investe em mídias sociais para responder às reclamações na internet, mas investiu muito pouco em sua operação. Os trens seguem circulando em horários irregulares, intervalos enormes entre um carro e outro, além de não estarem se adequando aos cuidados da pandemia. E mesmo assim quer cobrar R$7,40! Absurdo!




O Governador Cláudio Castro está enchendo os bolsos da Supervia às custas da população!

Para tentar amenizar a situação, o governador declarou que os usuários da Tarifa Social Ferroviária continuariam a pagar o valor atual de R$5,00, enquanto o governo vai repassar a diferença de R$2,40 para a Supervia. Ainda assim, é o seu dinheiro indo para a empresa, seja na catraca ou através dos cofres públicos. A Supervia quer continuar faturando em cima da gente mesmo prestando um serviço ineficiente!

Pra piorar, o benefício da Tarifa Social só vale para os usuários que possuem cadastro no Bilhete Único Intermunicipal, que hoje são apenas cerca de 7%. Ou seja, a maior parte dos usuários terá que pagar o valor cheio da passagem!









Os trens da Supervia atendem hoje 12 municípios da região metropolitana e transportam mais de um milhão de pessoas todos os dias. Durante a pandemia o número de usuários caiu bastante, mas mesmo assim em algumas localidades o trem continua sendo o único meio de deslocamento dos moradores e trabalhadores.

O preço de R$7,40 inviabilizaria a mobilidade e isolaria ainda mais a população que depende deste tipo de transporte. Os trabalhadores informais e as pessoas que estão procurando emprego seriam as mais prejudicadas com esse aumento sem precedentes.






























Esta é uma campanha do Movimento Contra o Aumento da Passagem, que conta com várias organizações da sociedade civil que ficam indignadas com o aumento abusivo do preço das passagens, feita com o apoio do Meu Rio.